segunda-feira, 11 de abril de 2011

Definitivamente tudo tem sua hora de acabar. A idéia do fim sobre o que quer que seja as vezes nos assusta. Acho que por isso ando fascinado com "La Santa Niña". Dizem que La Santa Muerte tem mais de 5 milhoes de fiéis no México. A igreja católica e todo cristianismo sempre a renegou, mesmo esse sendo o maior sincretismo do país. Outros a mantém distante porque esta demais relacionada com os "narcos" e todo tipo de marginalidade. O fato é que ela está presente no imaginário mexicano desde sempre. Vários povos prehispanicos também lhe rendem inúmeros esforços e oferendas, e como bem sabemos, o dia dos mortos aqui é simplesmente uma apoteose. Nada se compara a celebração nessas terras ao dia de los muertos.

La Santa Muerte tem aqui um encanto que é o da continuidade e das possibilidades. As pessoas a invocam para tudo, desde as coisas mais básicas aos desdobramentos mais complexos da vida humana. Depende sempre de sua fé, de suas intenções, necessidades e relação com algum aspecto de sua emanação. De todo modo é um encontro para ir adiante, para a superação e a conquista. Entendo isso como o destino que segue um pouco mais e de que nada está pronto. Da mesma forma que os zapatistas invocam tanto sua ancestralidade para dizer que a luta é como um círculo, que há um ponto para se começar, mas nunca para terminar. Onde a superação é de suas limitações, temores e angústias. E por fim, a conquista de si.

Desde que aqui cheguei tenho pensado nisso de muitas maneiras. Desde a relação tão espontânea com La Santa Muerte e todos os objetos, músicas e imagens que não te deixam esquece-la, até os estranhamentos que isso desperta e na minha própria necessidade de morrer para tantas outras coisas.

Assim, meu desejo me leva a saber que nessa absoluta abertura até a morte, não sei mais a respeito da necessidade de continuar com esse espaço. O fanzine Paladar de Palavra, como escrevi na primeira mensagem desse blog a 4 anos atrás, nasceu em um momento de compartilhar idéias e ações no meio punk hardcore de São Paulo no meio dos anos 90. A internet estava tímida e os fanzines cheios de colagens e maluquices faziam a cabeça de muito mais gente que agora. Então em 2007 ele ganha sua versão digital em virtude de outra necessidade de compartilhar experiências que estava vivendo fora do Brasil na época. Acabou sendo muito mais. Aqui chorei, lamentei, briguei, sorri, fiz amigos, encontrei gente, falei merda, lavei roupa suja, elogiei, protestei, compartilhei e coisas que nem se quer imaginava. O lance, como diz uma canção d'O Rappa, é que meu Santo tá cansado!

De alguma maneira acho que ele iria acabar assim que voltasse ao Brasil. Porém sinto que é melhor que ele fique por aqui agora. Talvez devesse esperar a celebração do dia de los muertos em novembro, mas como disse, a importância de morrer para algumas coisas já esta presente. Assim apenas aceito. Simplesmente decido que seja isso e reconheço outra maneira de compartilhar o que sinto. Os encontros que tenho agora e os cuidados que estou permitindo se iniciarem deixam isso claro.

Alguns budistas também falam sobre samsara e de como tudo recomeça. As mandalas tibetanas são ótimos símbolos disso. Do ciclo que nasce e morre, surge e desaparece. Daquilo que se precisa entender sobre impermanência. O Paladar volta algum dia? Pouco provável, mas tudo que é visto como “para sempre” merece alguma desconfiança... Esse blog como é vai acabar.

Obrigado a todo mundo que passou por aqui até agora. Por todos que escreveram algo, independente de eu concordar com isso ou não. As postagens ficarão aí até que alguma coisa aconteça com esse espaço, ou que se decida sumi-lo por falta de postagens, ou eu mesmo vá ali e apague ele completamente, exatamente como a mão do monge que varre os grãos da mandala... Irei entretanto manter o outro blog que possui um caráter bem diferente desse. Na verdade nem eu sei qual é o carater desse aqui... Do sintagma e outras considerações é realizado com outra perspectiva e interesse. Entretanto, nao deixem de visitar os links ao lado.

Continuarei a divulgar mais material ligado a pesquisa, psicologia, educação e política do que reflexões e delírios pessoais. O México vive uma luta e contém uma tradição que merecem ser divulgadas. Da mesma forma as lutas de nosso povo brasileiro. Pretendo evitar qualquer personalismo e manterei apenas a linha daquilo que me alimenta e inspira. Evidentemente que tudo esta numa perspectiva política, mas existem delimitações que são da ordem privada e que respeitarei mais.

Dito isso, boa sorte para todos nós!

Alessandro de Oliveria Campos

Cidade do México, DF, 11 de abril de 2011.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Daquilo que faz bem a alma.

Som mexicano de primeiríssima! Celso Piña y su Ronda Bogotá fazem uma fusao de ritmos que é irresístivel. O homem ai sempre foi mesmo dos ritmos regionais de sua terra natal que é Monterrey e desenvolveu uma pegada única com a cumbia. Ele é genial. Viva Mexico carajo! Aproveitem!

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Como alguém pode impedir de uma gota d'agua jamais secar?

CARTA ABERTA DO MOVIMENTO PASSE LIVRE SOBRE QUESTÃO DE GÊNERO E MOVIMENTOS SOCIAIS

Na quarta-feira, dia 30 de março, no último ato da Jornada de Luta Contra o Aumento das Tarifas no Transporte Público em São Paulo, houve um “escracho” a um re-incorporado militante do Movimento Passe Livre e ao próprio MPL, caracterizado pela denúncia de machismo verbal e psicológico praticado por esse companheiro há cerca de seis meses atrás. Primeiramente, precisamos deixar claro que suas atitudes machistas foram discutidas extensamente dentro do Movimento, que o militante ficou afastado por cerca de quatro meses e iniciou acompanhamento terapêutico, desde que tomamos ciência destas atitudes. Durante a Jornada de Lutas de 2011, com o início da sua aproximação às manifestações, voltamos a discutir, e dessa vez com mais profundidade, os diversos fatores envolvidos nessa questão, procurando nos posicionar da melhor forma possível. Diante da gravidade das atitudes do companheiro, gravidade que este mesmo reconhece, o Movimento colocou condições essenciais para seu retorno como militante: (1) o reconhecimento do seu erro, colocado não como um simples ‘pedido de desculpas’, mas dentro da perspectiva de gênero; e, mais importante que isso (2) – comprometimento de mudança de suas atitudes como parte do processo da retomada de confiança, sendo este processo gradual, conforme estas mudanças vão se mostrando nítidas nas suas práticas; e ainda (3) – a continuidade do tratamento psicológico que o mesmo iniciou aos cometer o machismo verbal e psicológico. Esse comprometimento de mudança não só foi assumido por ele como pelo próprio Movimento que se propôs a também cotidianamente rever-se. O MPL – SP concluiu, diante de seu posicionamento e do compromisso de mudança assumido por ele e pelo Movimento, que a melhor forma de lidar com uma questão tão latente como esta, avançando na discussão de gênero, era a não exclusão do indivíduo, pois a exclusão não significaria a eliminação do machismo. Achamos mais produtivo, tanto para o MPL, quanto para a luta anticapitalista, nos esforçarmos em impulsionar a transformação das suas atitudes do que excluí-lo. A re-incorporação com perspectivas objetivas e subjetivas de mudança e retomada de confiança dá, nesse caso, espaço para que esta transformação possa acontecer. Ainda assim, concordamos que durante este processo de retorno, o companheiro não assumiria tarefas públicas pelo Movimento, o que foi seguido desde o retorno do mesmo às manifestações (vale dizer que no dia em questão, quem estava dando a entrevista era um secundarista, o Caio, e que este pediu auxílio pro militante que estava mais próximo...). Com relação a tornar a questão pública e expor o posicionamento do MPL, entendemos que a resposta deveria, inicialmente, ser dada ao próprio MPL, além disso, foi pesado em nossas discussões o grau de exposição que sofreria a companheira envolvida neste caso. No entanto, o MPL respondeu e responderia sobre o ocorrido a qualquer grupo ou individuo que nos questionasse. Entendemos que os fóruns de decisão do Movimento são sim espaços públicos, e não privados, e que nesse sentido a situação foi sim discutida politicamente. “Acobertar” seria não discutir isso na instância oficial do Movimento, sua reunião periódica, aberta, com decisões constadas em ata. Sobre o “escracho” Gostaríamos de ressaltar que existe uma diferença entre o mérito de uma denúncia e o método com o qual ela é feita: acreditamos que deve ser apoiada toda e qualquer denúncia a um ato de intolerância (machismo, racismo, homofobia, etc.), independente se quem o praticou é ou não um militante. Já o método com que a ação de quarta-feira (30/03) foi planejada e realizada nos preocupa muito por uma série de fatores. É importante destacar que em nenhum momento as mulheres do MPL-SP foram procuradas, nem antes nem depois desta ação. O que leva a pontuar uma outra questão importante: apesar da grande quantidade de organizações feministas e mulheres presentes nesta Jornada, a ação teve um caráter isolado em relação à boa parte destas pessoas e organizações. Nem nós mulheres do MPL, nem as companheiras de diversas outras organizações foram procuradas, evidenciando um sectarismo preocupante. Além disso, na nossa concepção, escrachos devem ser realizados com aqueles com os quais não é possível, e muitas vezes nem desejável, o diálogo: o escracho tem como objetivo humilhar e deve ser direcionado aos nossos inimigos, àqueles que sabemos que nunca estarão do nosso lado. Dessa forma – para o referido caso – entendemos que para as executoras desta ação não há a disposição de dialogar nem resolver nenhum problema de fato, mas sim nos colocar na posição de um inimigo, o que retrocede na luta e na unidade dos grupos anticapitalistas e na própria luta feminista como um todo Queremos expor que acreditamos termos tratado a questão com a seriedade necessária e que a nossa decisão aponta para uma tentativa de construir uma sociedade igualitária, tolerante e não punitiva. Mesmo o MPL-SP acreditando que atitudes e relações possam ser modificadas e que uma expulsão em nada contribuiria para esta transformação, o militante decidiu se afastar indefinidamente do Movimento, por decisão pessoal e pedido de sua família. Por uma vida sem catracas e sem desigualdades de gênero Em meio a tantas demandas e pressões que a luta por um transporte público nos coloca fizemos questão de dedicar diversas horas nos nossos espaços para a discussão de gênero, por considerarmos esta uma questão fundamental. Temos avançado muito nesse sentido nos últimos meses e principalmente enquanto mulheres, reivindicamos a nossa autonomia pra encampar esta discussão junto aos demais militantes da forma como a analisamos e entendemos. E nós mulheres, independente de qual organização façamos parte, devemos avançar juntas – respeitando em primeiro lugar as diferentes posições – e buscar sempre o diálogo, e não a desmoralização das visões que são diferentes das nossas. Por fim, acreditamos que a personalização do problema na figura de uma única pessoa reduz a questão de gênero, tirando o foco de inúmeros outros problemas de gênero que acontecem todos os dias, em maior ou menor grau, não trazendo nenhum avanço na construção de uma nova sociedade de mulheres e homens livres de opressão: o feminismo deve, acima de tudo, construir ferramentas para a desconstrução do machismo e não para a destruição dos homens. E a fim de estimular esta importante discussão de forma séria, e que traga avanços efetivos na discussão de gênero nos movimentos sociais e organizações políticas, convocamos à todas e todos para a construção de um grande debate, a ser marcado em breve, com a participação de mulheres e homens, entendendo que esta questão transcende todos os grupos e devemos juntas e juntos caminhar rumo à uma igualdade real entre mulheres e homens na luta contra o sistema capitalismo.

terça-feira, 5 de abril de 2011

VIVA O PULQUE!

Estava aqui pensando sobre como descrever o pulque. Bebida única do México. Os povos prehispanicos já cultivavam e produziam essa beleza a séculos. Durante quinhentos anos foi combatida porque era ¨bebida de índio¨ e depois com a vinda das grandes marcas de cerveja tem início uma campanha difamatória que fez seu consumo diminuir consideravelmente. Assim, como também cheguei pra ficar, estou preferindo reproduzir um bom texto de exaltacao ao pulque! Encontrei aqui. Salud!
En México el consumo del pulque ha disminuido, ha perdido su popularidad ya que el mercado cada vez ofrece mas productos que satisfacen al bolsilo y paladar de quienes gustan de embriagarse, es tambien por la mala fama que se le ha hecho al pulque los ultimos años. En las pulquerias que han sobevivido al cambio drastico de las ultimas decadas, es dificil mirar a jovenes que disfruten de este manjar, regularmente son personas de mayor edad quienes lo consumen ya que en sus tiempos de juventud era lo que en sus mesas se servian debido a la tradicion que sus abuelos dejaron a sus padres y por su puesto que nos dejaron nuestros ansestros. Quienes lo cosumimos sabemos que pulque no es solo una bebida mas, ya que tiene algo especial, distinto a tomar un baso de tequila o una cerveza, desde intruducirse a una pulcata, escuchar en la rocola a Los cadetes de Linares o algun grupo de esta categoria que a los viejos les agrada,mirar las mesas vacias, a la señora de 60 años con su tarro de barro repleto de pulque, y los viejos borrachos meditando en quien sabe que. Todos saludan, la mayoria sonrie y los jovenes con sus tarros de curado mientras los mas viejos prefieren siempre un pulque balanco, natural y mas rico a su parecer. El o la dueña que siempre tiene algo que contar, simpatisando con todos los clientes, la chosa pareciera ser la misma que todas las otras, unas mesas con domino sobre ellas, algunas otras con baraja española sin faltar la virgen en la entrada en lo alto con los focos de colores que no se cambian ni una vez al año, el hambiente no es el mejor, pero uno no tiene ninguna prisa por salir de ese lugar. Seguramente sonrieron al leer lo anterior por que entienden perfectamente de lo que hablo y se les antojo su curado favorito pero, se han preguntado de donde proviene? o como se realiza? El pulque en Mesoamerica fue como el vino para los pueblos mediterraneos. El pulque fue una bebida ritual y sagrada para los mexicas y otros pueblos mesoamericanos, era la bebida que se daba en las bodas, se les daba de beber a los guerreros vencidos que serian inmolados, era la bebida que se usaba en importantes ceremonias religiosas, etc. Estuvo tan arraigada en la cultura autoctona, que no bastaron 300 años de esfuerzos de las autoridades coloniales para evitar su consumo, estamos de acuerdo que los españoles nos trajeron muchas tradiciones ajenas a las que aqui tenian nuestros antepasados, tampoco han bastado siglos para que la sociedad independiente pueda desprestigiarlo y tratar de sustituirlo por otras bebidas obtenidas por fermentacion, muy aktamente prestigiadas por ser originarias de pueblos europeos que cuentan con el prestigio de los medios masivos de comunicacion. A pesar del constante bombardeo de los medios de comunicacion, no se ha podido eliminar la practica ansestral de consumir pulque en las comunidades rurales y todavia en escala significativa, en las ciudades. El pulque es el producto de la fermentacion de la savia azucarada o aguamiel, que se obtiene al eliminar el quiote o brote floral y hacer una cavidad en donde se acumula el aguamiel en cantidades que pueden llegar a seis litros durante tres meses por planta. Para recogerlo se utiliza el acocote, que es una calabaza alargada que sirve como pipeta de grandes proporciones. El aguamiel se consume directamente, siendo una bebida de sabor agradable que contiene alrededor de 9% de azucares. Los mexicas, en su peregrinacion desde Aztlán o Lugar de las Garzas, en busca de Tenochtitlán, aprendieron a fermentar este jugo azucarado al que atribuyeron propiedades magicas. Esta bebida, tenia como nombre original OCTLI, tuvo una gran importancia a juzgar por los testimonios pintados en diversos códices. A la llegada de los españoles, este vino blanco perdió, junto a su nombre OCTLI, su categoria y pasó, con el nombre de PULQUE, a ser la bebida de los pobres, quienes han mantenido su aficcion a él hasta nuestros dias. El nombre PULQUE que es como ahora lo conocemos y con el que los españoles denominaban a la bebida nos da un gran ejemplo de la degradacion que sufrio nuestra bebida ya que el nombre PULQUE deriva de POLIUQUI, que significa DESCOMPUESTO. Entonces los españoles cambiaron el nombre de OCTLI por el que con todos ahora nos referimos a la bebida: PULQUE El pulque, a pesar de los intentos de erradicar su consumo, sigue siendo utilizado hasta ahora y forma parte importante del folklore mexicano.

Lado A Lado B


Comeco a acreditar que todos temos o lado A e o Lado B. O lado A é só coisa fina, o melhor para bailar y otras cositas más. O lado B já é mais encardido, só fuleragem, coisa ruim mesmo, dificil de ouvir. Talvez o segredo da coisa seja tentar tocar os dois lados com tranquilidade e ver o acontece. Enquanto a gente toca o lado A avisa que tem o lado B. Assim ninguém fica te acusando de vender o disco errado. Apesar do absurdo disso, já que todos estamos aí para serem descobertos e alguma hora o lado B vai ter que tocar, tem gente que só quer o lado A. E mais malucos ainda quem acredita ter só o lado A. Entao, quando toca o lado B, imaginam que nao sao eles e que podem destruir a vitrola! Nessa hora muita calma. O lado B falando com o Lado B é delicado. Entao, nem vem que nao tem. Santa paciencia!

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Sem título

Bati e apanhei muito até hoje. De alguns momentos me arrependo e de outros nem tanto. Fato que agora algumas dessas pancadas, mais as que levo, me fazem quase querer parar de caminhar. Hoje levei a última. Aprendi a chorar. E muito daquilo que me dói é simplesmente porque nao fui capaz de dizer o que sentia na hora em que me ocorria. Lamento nao ter dito que precisava ir embora a tempo e mais ainda nao ter sustentado o amor que me tocava. Lamento esse que precisa acabar porque nao faz bem a ninguém lamentar tanto. Estive poucas vezes apaixonado e menos ainda que isso nao se transformou em um pesar. Escutei de uma amiga dia desses que amor nenhum se transforma em ódio. Ela esta certa. Como pode alguém acusar o outro de nao sofrer o suficiente? Como pode questionar a angústia que nao é sua? Por isso que antes de saber onde meu coracao vai estar e quem ele vai encontrar, ele possa sempre estar aqui comigo. Nao quero mais bater e menos ainda apanhar.

>-------------------
Bate no Meu Peito

Nunca mais vou enganar meu coracao. Prometo que nao terei medo de me machucar, de sofrer, de me entregar. Tenho gana de viver. Quero buscar o que ainda nao tenho, o que me faz falta. Nao vou fingir que nao percebo os sinais do meu corpo, que nao sinto meu coracao batendo tao forte que tenho a impressão de que vai escapar de dentro de mim. Nao vou negar que a minha mao sua frio, que nao segura firme a caneta no papel, que minha letra sai tremida. Nao vou segurar meu choro nem esconder as lagrimas que insistem em escorrer pelo meu rosto. Nao vou me envergonhar do que sinto. Vou me aventurar, procurar o que sei que esta perdido em algum cantinho da minha alma e estava apenas esperando o momento certo pra ser encontrado. A hora eh agora. Tenho sede de emocoes, como nunca pensei que um dia teria. Quero rir, chorar, correr, cair, levantar, tentar, aprender. Quero olhar pra tras sem arrependimentos, sem ter vontade de reconstruir minha historia. Quero estar certa de que fiz minha parte, que diria cada palavra novamente se fosse necessario. Bate no meu peito uma vontade enorme de colocar em pratica as licoes que aprendi nos anos em que fechei meu coracao pra balanço. Percebo que nao preciso provar nada pra ninguem, sei como sou e isso me basta. Bate no meu peito o desejo de abrir as portas pra viver, de finalmente conhecer o verdadeiro amor.


Márcia Duarte

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Descobri o pulque!

Em breve notìcias e relatos dessa maravilhosa bebida! Podem ir se inteirando aos poucos por aqui. Estou me recuperando...




terça-feira, 29 de março de 2011

Bienvenidos a mi barrio!

Acabei de mudar para um dos bairros da Cidade do Mexico com uma história única. Coyoacán significa em náhuatl, idioma nativo mais falado aqui, "lugar de coyotes". Chego exatamente ao Quadrante San Francisco. Este lugar esta ao sul da Cidade do México e é uma das suas 16 delegacoes em que a cidade esta dividida. É como uma espécie de subprefeitura. Bom, desculpem a falta de modestia, mas esse lugar é mesmo incrível. Comecando pelas ruas e suas construcoes muito antigas, já viveram aqui Frida Kahlo, Gabriel Garcia Marquez, Diego Rivera, Dolores Del Rio e mais um monte de músicos, artistas, revolucionários e etc. E digasse de passagem ainda tem muita gente boa por aí. Além de estar lá o Museu Frida Kahlo e o Museu Nacional de Culturas Populares, o lugar inteiro é uma beleza única com seus sobrados, igrejas e botecos. Isso sobre os museus merece mais adiante um capítulo a parte.

Enfim, a parte que me cabe nesse momento: o Quadrante San Francisco. É uma parte pequena de Coyoacán, fundada em 1530 e conta com cerca de 20 vielas que devo confessar ainda me confundem. Na entrada do Quadrante se encontra evidentemente, San Francisco. Esta parte de Coyoacán é praticamente católica e tem 4 igrejas, sendo que uma delas todos os dias as 6 horas anuncia a primeira missa e faz o favor de me acordar para me lembrar disso. Para se chegar em casa basta descer na Av. Miquel de Angel de Quevedo, outro ilustre morador que esse bairro já teve, caminhar pela calle quadrante de San Francisco hasta la calle Pedregoso y listo. A gente senta na mercearia que tem na esquina e pede uma cerveja Indio! O número, bem, melhor nao revelar que tem muito maluco por aí e vai que chega uma carta bomba... Mas para quem vier eu conto. Em breve a história nativa do lugar.

Bienvenidos!
Aqui comeca. No fim da rua voce chega em casa. Ela ainda esta decorada com parte dos enfeites da festa do ano passado para a celebracao do Dia de los Muertos. Encruzilhada.
Típico sábado de manha.
Novamente San Francisco e como nao pode deixar de ser, segue a oracao do Santo que sem dúvida alguma, independente daquilo que nos ajuda e acreditamos, é uma ótima fonte de reflexao e inspiracao.

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor, Onde houver ofensa , que eu leve o perdão, Onde houver discórdia, que eu leve a união, Onde houver dúvida, que eu leve a fé, Onde houver erro, que eu leve a verdade, Onde houver desespero, que eu leve a esperança, Onde houver tristeza, que eu leve a alegria, Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ó Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado; compreender que ser compreendido, amar, que ser amado. Pois é dando que se recebe é perdoando que se é perdoado e é morrendo que se nasce para a vida eterna...

Cine Pinel


sábado, 26 de março de 2011

Vai uma michelada?

Eis uma coisa que no inicio foi um estranhamento enorme.
Una michelada por favor
!
E as tardes quentes daqui nunca mais foram as mesmas.

A receita:
1 cerveja clara (pilsen)
1/2 limao
1 limao espremido na hora
Suco de tomate
Molho ingles
Molho de pimenta (tipo Tabasco)
Pimenta granulada (pimenta vermelha)
Sal
Gelo

Fazer em um copo grande de pelo menos 500ml.
Como preparar?
acesse
http://www.youtube.com/watch?v=ZFDcL3cvH2E

aproveitem!

quinta-feira, 24 de março de 2011

As vezes o mais difícil é saber que alguém se importa. Para isso resta a gratidão.

"Os afetos de alegria são como se estivéssemos em um trampolim, eles nos fazem passar através de qualquer coisa que nós nunca passaríamos se somente houvesse tristezas. (...) Nós não fazemos jamais progresso sobre uma linha homogênea, é um acaso aqui que nos faz progredir lá, como se uma pequena alegria tivesse soltado um gatilho. A nova necessidade de um mapa: que é que se passa ali para que isso se desbloqueie aqui? Uma pequena alegria nos precipita num mundos de idéias concretas que barram os afetos tristes ou lutam com eles, (...). Se vocês conseguem formar uma noção comum, sobre qualquer ponto da sua relação com tal pessoa ou tal animal , vocês dizem: enfim, eu aprendi qualquer coisa, eu sou menos besta que ontem." (Deleuze)

quarta-feira, 23 de março de 2011

PRIMEIRA CARTA (completa) de SCI Marcos a Don Luis Villoro.

Tradução Marcos Villoro

As 4 partes do texto Notas sobre as guerras, início do intercâmbio epistolar sobre Ética e Política. Janeiro-Fevereiro de 2011

EXÉRCITO ZAPATISTA DE LIBERACÃO NACIONAL
MÉXICO.
Janeiro-Fevereiro de 2011.
Para: Don Luis Villoro.
De: Subcomandante Insurgente Marcos.
Doutor, felicitações.
Esperamos muito que encontre-se melhor de saúde e que tome estas linhas não somente como um vaivém de idéas, mas também como um abraço carinhoso de tudo que somos.
O agradecemos por haver aceitado participar como correspondente neste intercâmbio epistolar. Esperamos que dele surjam reflexões que nos ajudem, ali e aqui, a tratar de entender o calendário que padece nossa geografia, a dizer, nosso México.
Permita-me iniciar com uma espécie de esboço. Tratam-se de idéas, fragmentadas como nossa realidade, que podem seguir seu caminho independente ou ir enlaçando-se como uma trança (que é a melhor imagem que encontrei para “desenhar” nosso processo de reflexião teórica), e que é produto de nossa inquietude sobre o que ocorre atualmente no México e no mundo.
E aqui iniciam estes apressados pontos sobre alguns temas, todos eles relacionados com a ética e a política. O melhor que alcançamos perceber (e sofrer) deles, e sobre as resistências em geral, e nossa resistência em particular. Como é de se esperar, nestas notas, o esquematismo e a redução reinarão, no entanto creio que alcançarão para desenhar uma ou muitas linhas de discussão, de diálogo, de reflexão crítica.
E é precisamente disso do que se trata, de que a palavra vá e venha, enfrentando postos de controle, patrulhas e polícias, de nosso aqui até o seu lá, mas então logo a palavra se vai para todos os lados e não importa se alguém a recolhe e a lança de novo (que para isso são feitas as palavras e as idéias).
Mas o tema que acordamos é o da Política e da Ética, e talvez sejam necessários alguns rodeios, ou melhor, aproximações desde pontos aparentemente distantes.
E, posto que tratam-se de reflexões teóricas, terá que começar pela realidade, por aquilo que os detetives chamam de “feitos”.
Em “Escândalo na Boêmia”, de Arthur Conan Doyle, o detetive Sherlock Holmes diz a seu amigo, o Doctor Watson: “É um erro capital teorizar antes de ter dados. Sem dar-se conta, a pessoa começa a deformar os feitos para que se ajustem às teorias, em vez de ajustar as teorias aos feitos”.
Poderíamos começar então por uma descrição, apressada e incompleta, do que a realidade nos apresenta da mesma forma, a dizer, sem anestesia alguma, e recapitular alguns dados. Algo assim como tentar reconstruir não somente os feitos assim como a forma como tomamos conhecimento deles.
E o que primeiro aparece na realidade de nosso calendário e geografía é uma antiga conhecida dos povos originários do México: A Guerra.

I.- AS GUERRAS DE CIMA.
“E no princípio foram as estátuas”.
Assim poderia iniciar un ensaio historiográfico sobre a guerra, ou uma reflexão filosófica sobre a real gestante da história moderna. Porque as estátuas bélicas escondem mais do que mostram. Construída para cantar em pedra a memória de vitórias militares, não fazem senão ocultar o horror, a destruição e a morte de toda guerra. E as petrificadas figuras de deusas ou anjos coroados com a láurea da vitória não somente servem para que o vencedor tenha memória de seu êxito, mas também para forjar a desmemória vencida.
No entanto na atualidade esses espelhos rochosos encontram-se em desuso. Além de serem sepultados cotidianamente pela crítica implacável de aves de todo tipo, têm encontrado nas mídias massivas de comunicação um competidor insuperável.
A estátua de Hussein, derrubada em Bagdá durante a invasão estadunidense ao Iraque, não foi substituída por uma de George Bush, mas pelas promoções das grandes firmas transnacionais. Mesmo que o rosto bobo do então presidente dos Estados Unidos bem poderia servir para promover comida rápida, as multinacionais prefiriram autoerigirse à homenagem de um novo mercado conquistado. Ao negócio da destruição, seguiu o negócio da reconstrução. E, mesmo que as baixas nas tropas estadunidenses sigam, o importante é o dinheiro que vai e vem como deve ser: com fluidez e em abundância.
A queda da estátua de Saddam Hussein não é o símbolo da vitória da força militar multinacional que invadiu o Iraque. O símbolo está na alta das ações das firmas patrocinadoras.
“No passado foram as estátuas, agora são as bolsas de valores”.
Assim poderia seguir a historiografia moderna da guerra.
Mas a realidade da história (esse caótico horror olhado cada vez menos e com mais assepsia), compromete, pede contas, exige consequências, demanda. Uma olhada honesta e uma análise crítica poderiam identificar as peças do quebra-cabeças e então escutar, como um macabro estrondo, a frase:
“No princípio foi a guerra”.

A Legitimação da Barbárie.
Quiçá, em algum momento da história da humanidade, o aspecto material, físico, de uma guerra foi o determinante. Mas, ao avançar a pesada e torpe roda da história, isso não bastou. Assim como as estátuas serviram para o recordar do vencedor e à desmemória do vencido, nas guerras os contingentes necessitaram não somente derrotar fisicamente o contrário, mas também fazerem-se de um álibi propagandístico, a dizer, de legitimidade. Derrotá-lo moralmente.
Em algum momento da história foi a religião a que otorgou esse certificado de legitimidade à dominação pela guerra (mesmo que algumas das últimas guerras modernas não parecem ter avançado muito nesse sentido)- Mas logo foi necessário um pensamento mais elaborado e a filosofia entrou em relevo.
Recordo agora umas palabras suas: “A filosofia sempre teve uma relação ambivalente com o poder social e político. Em parte, tomou a sucessão da religião como justificadora teórica da dominação. Todo poder constituído tem tratado de legitimar-se, primeiro em uma crença religiosa, depois em uma doutrina filosófica. (…) Tal parece que a força bruta que sustenta o domínio careceria de sentido para o homem se não se justificasse em um fim aceitável. O discurso filosófico, liberto da religião, tem estado encarregado de outorgá-lo esse sentido; é um pensamento de domínio.” (Luis Villoro. “Filosofia e Domínio”. Discurso de entrada no Colégio Nacional. Novembro de 1978).
Em consequência, na história moderna esse álibi poderia chegar a ser tão elaborado como uma justificação filosófica ou jurídica (os exemplos mais patéticos nos tem dado a Organização das Nações Unidas, ONU). Mas o fundamental era, e é, fazer-se de uma justificação midiática.
Se certa filosofia (seguindo-o, Don Luis: o “pensamento de domínio” em contraposição ao “pensamento de libertação”) aliviou a religião dessa tarefa de legitimação, agora os meios masivos de comunicação tem aliviado a filosofia.
Alguém se lembra que a justificação da força armada multinacional para invadir o Iraque era que o regime de Saddam Hussein possuia armas de destruição massiva? Sobre isso se construiu um gigantesco andaime midiático que foi o combustível para uma guerra que ainda não terminou, pelo menos em termos militares. Alguém se lembra que nunca foram encontradas tais armas de destruição massiva? Já não importa se foi mentira, se houve (e há) horror, destruição e morte, perpetrados com um falso álibi.
Contam que, para declarar a vitória militar no Iraque, George W. Bush não esperou os informes de que haviam sido encontradas e destruídas essas armas, nem a confirmação de que a força multinacional já controlava, se não todo o território iraquiano, ao menos seus pontos nodais (a força militar estadunidense encontrava-se entrincheirada na chamada “zona verde” e nem sequer podia aventurar-se a sair aos bairros vizinhos –via-se nas estupendas reportagens de Robert Fisk para o jornal britânico “The Independent”-).
Não, o informe que recebeu Washington e permitiu dar por terminada a guerra (que por certo ainda não terminou), chegou dos consultores das grandes transnacionais: o negócio da destruição pode dar vez ao negócio da reconstrução (sobre isso vejam os brilhantes artigos de Naomi Klein no semanário estadunidense “The Nation”, e seu livro “A Doutrina do Choque”).
Assim, o essencial na guerra não é somente a força física (ou material), também é necessária a força moral que, nestes casos, é proporcionada pelos meios massivos de comunicação (como antes era pela religião e a filosofia).

A Geografia da Guerra Moderna.
Se é o aspecto físico a que nos referimos a um exército, como uma organização armada, enquanto mais forte é (enquanto mais poder de destruição possui), mais chances de sucesso.
Se é o aspecto moral referido a um organismo armado, embora mais legítima é a causa que o anima (a dizer, enquanto mais poder de convocatória tem), maiores ainda são as possibilidades de conseguir seus objetivos.
O conceito de guerra ampliava-se: tratava de não somente destruir o inimigo em sua capacidade física de combate (soldados e armamento) para impor sua vontade própria, também era possível destruir sua capacidade moral de combate, embora tivesse ainda suficiente capacidade física.
Se as guerras poderiam colocar-se unicamente no terreno militar (físico, já que nessa referência estamos), é lógico esperar que a organização armada com maior poder de destruição imponha sua vontade ao contrário (tal é o objetivo do choque entre forças) destruindo sua capacidade material de combate.
Mas já não é possível alocar nenhum conflito em um terreno meramente físico. Cada vez mais é mais complicado o terreno em que as guerras (pequenas ou grandes, regulares ou irregulares, de baixa, média ou alta intensidade, mundiais, regionais ou locais) se realizam.
Atrás dessa grande e ignorada guerra mundial (“guerra fria” é como a chamam a historiografia moderna, nós a chamamos “a terceira guerra mundial”), pode-se encontrar um julgamento histórico que marcará as guerras por vir.
A possibilidade de uma guerra nuclear (levada ao limite pela corrida armamentista que consistia, a grosso modo, em quantas vezes era-se capaz de destruir o mundo) abriu a posibilidade de um “outro” final de conflito bélico: o resultado de um choque armado podia não ser a imposição da vontade de um dos adversários sobre o outro, mas poderia também supor a anulação das vontades em conflito, a dizer, sua capacidade material de combate. E por “anulação” me refiro não somente à “incapacidade de ação” (um “empate” pois), também (e sobretudo) a “desaparição”.
Em efeito, os cálculos geomilitares nos diziam que em uma guerra nuclear não haveriam vencedores nem vencidos. E mais ainda, não haveria nada. A destruição seria tão total e irreversível que a civilização humana deixaria sua passagem para a baratas.
O argumento recorrente nas altas esferas militares das potências da época eram que as armas nucleares não eram para brigar em uma guerra, mas para inibí-la. O conceito de “armamento de contenção” se traduziu então ao mais diplomático “elemento de disuassão”.
Reduzindo: a doutrina “moderna” militar sintetizava-se em: impedir que o contrário imponha sua vontade maior (ou “estratégia”), equivale a impor a própria vontade maior (“estratégica”), a dizer, deslocar as grandes guerras às pequenas ou médias guerras. Já não se tratava de destruir a capacidade física e/ou moral de combate do inimigo, senão de evitar que a empregasse em um enfrentamento direto. Por outro lado, buscava-se redefinir os teatros da guerra (e a capacidade física de combate) do mundial ao regional e local. Em resumo: diplomacia pacífica internacional e guerras regionais e nacionais.
Resultado: não houve guerra nuclear (ao menos ainda não, embora a estupidez do capital é tão grande como sua ambição), mas em seu lugar houveram inumeráveis conflitos de todos os níveis que arrojaram milhões de mortos, milhões de refugiados de guerra, milhões de toneladas métricas de material destruído, economias arrasadas, nações destruidas, sistemas políticos rompidos… e milhões de dólares de ganância.
Mas a sentença foi dada para as guerras “mais modernas” ou “pós-modernas”: são possíveis conflitos militares que, por sua natureza, sejam irresoluveis em termos de força física, a dizer, em impor pela força a vontade ao contrário.
Poderíamos supor então que se iniciou uma luta paralela SUPERIOR às guerras “convencionais”. Uma luta por impor uma vontade sobre a outra: a luta do poderoso militarmente (ou “fisicamente” para poder transitar ao microcosmos humano) para evitar que as guerras aconteçam em terrenos aonde não poderiam ter resultados convencionais (do tipo “o exército melhor equipado, treinado ou organizado será potencialmente vitorioso sobre o exército pior equipado, treinado e organizado”). Poderíamos supor, então, que contra ele está a luta do militarmente débil (ou “fisicamente”) para fazer com que as guerras aconteçam em terrenos aonde o poderio militar não seja o determinante.
As guerras “mais modernas” ou “pós-modernas” não são, então, as que põem no terreno armas mais sofisticadas (e aqui estão incluidas não somente as armas como técnica militar, mas também as tomadas como tais nos organigramas militares: a arma da infanteria, a da cavalaria, a arma blindada, etc.), mas as que são levadas a terrenos aonde a qualidade e a quantidade do poder militar não é o fator determinante.
Com séculos de atraso, a teoria militar de cima descubria que seriam possíveis conflitos em que um adversário abrumadamente superior em termos militares fosse incapaz de impor a sua vontade a um rival débil.
Sim, são possíveis.
Exemplos na história moderna sobram, e os que agora me vêm à memória são de derrotas da maior potência bélica no mundo, os Estados Unidos da América, no Vietnã e em Praia de Girón. E poderiam agregar-se a estes alguns exemplos de calendários passados e de nossa geografia: como as derrotas do exército realista espanhol pelas forças insurgentes no México há 200 anos.
No entanto, a guerra está aí e segue aí sua questão central: a destruição física e/ou moral do oponente para impor a vontade própria, segue sendo o fundamento da guerra de cima.
Então, se a força militar (ou física, reitero) não somente não é relevante senão que se pode prescindir dela como variável determinante na decisão final, temos que no conflito bélico entram outras variáveis, ou algumas das presentes como secundárias passam ao primeiro plano.
Isso não é novo. O conceito de “guerra total” (embora não como tal) tem antecedentes e exemplos. A guerra por todos os meios (militares, econômicos, políticos, religiosos, ideológicos, diplomáticos, sociais e ainda ecológicos) é o sinônimo de “guerra moderna”.
Mas falta o fundamental: a conquista de um território. A dizer, que essa vontade se impõe em um calendário preciso sim, mas sobretudo em uma geografia delimitada. Se não há um território conquistado, a dizer, abaixo controle direto ou indireto da força vencedora, não há vitória.
Embora se possa falar de guerras econômicas (como o bloqueio que o governo estadunidense mantém contra a República de Cuba) ou de aspectos econômicos, religiosos, ideológicos, raciais, etc., de uma guerra, o objetivo segue sendo o mesmo. E na época atual, a vontade que trata de impor o capitalismo é destruir/despovoar e reconstruir/reordenar o território conquistado.
Sim, as guerras agora não se conformam com conquistar um território e receber tributo da força vencida. Na etapa atual do capitalismo é preciso destruir o território conquistado e despovoá-lo, a dizer, destruir seu tecido social. Falo da aniquilação de tudo o que dá coesão à uma sociedade.
Mas não se detém aí a guerra de cima. De maneira simultânea a destruição e o despovoamento, se opera a reconstrução desse território e o reordenamento de seu tecido social, mas agora com outra lógica, outro método, outros atores, outro objetivo. Em resumo: as guerras impõem uma nova geografia.
Se em uma guerra internacional, este processo complexo ocorre na nação conquistada e se opera desde a nação agressora, em uma guerra local ou nacional ou civil o território a destruir/despovoar e reconstruir/reordenar é comum às forças em conflito.
A dizer, a força atacante vitoriosa destrói e despovoa seu própio território.
E o reconstrói e reordena segundo seu plano de conquista ou reconquista.
Embora se não tenha plano… então “alguém” opera essa reconstrução – reordenamento.
Como povos originários mexicanos e como EZLN algo podemos dizer sobre a guerra. Sobretudo se está a ser empreendida em nossa geografia e neste calendário: México, início do século XXI…

II.- A GUERRA DO MÉXICO DE CIMA.
“Eu daria as boasvindas quase a qualquer guerra
porque creio que este país necessita de uma”.
Theodore Roosevelt.

E agora nossa realidade nacional é invadida pela guerra. Uma guerra que não somente já não é distante para quem acostumou a vê-la em geografias ou calendários distantes, mas que começa a governar as decisões e indecisões dos que pensaram que os conflitos bélicos estavam somente nos noticiários e filmes de lugares tão longe como… Iraque, Afeganistão,… Chiapas.
E em todo México, graças ao patrocínio de Felipe Calderón Hinojosa, não temos que recorrer à geografia do Oriente Médio para refletir criticamente sobre a guerra. Já não é necessário remontar o calendário até Vietnã, Praia de Girón, sempre Palestina.
E não menciono Chiapas e a guerra contra as comunidades indígenas zapatistas, porque já se sabe que não estão em moda, (para isso o governo do estado de Chiapas gastou bastante dinhero para conseguir que os meios não o coloquem no horizonte da guerra, a não ser os “avanços” na produção de biodiesel, como “bem” tratam aos imigrantes, os “êxitos” agrícolas e outros contos engana-bobos vendidos a conselhos de redação que firmam como próprios os boletins governamentais pobres em redação e argumentos).
A irrupção da guerra na vida cotidiana do México atual não vem de uma insurreição, nem de movimentos independentistas ou revolucionários que disputam sua reedição no calendário 100 ou 200 anos depois. Vem, como em todas as guerras de conquista, desde cima, desde o Poder.
E esta guerra tem em Felipe Calderón Hinojosa seu iniciador e promotor institucional (e agora vergonhoso).
Quem se apoderou do comando do executivo federal por vias de fato, não se contentou com o respaldo midiático e teve que recorrer a algo mais para distrair a atenção e evadir o massivo questionamento de sua legitimidade: a guerra.
Quando Felipe Calderón Hinojosa fez como sua a proclamação de Theodore Roosevelt (alguns vangloriam a sentença a Henry Cabot Lodge) de “esse país necessita uma guerra”, recebeu a desconfiança medrosa dos empresários mexicanos, a entusiasta aprovação dos altos mandos militares e o aplauso nutrido de quem realmente manda: o capital estrangeiro.
A crítica desta catástrofe nacional chamada “guerra contra o crime organizado” deveria completar-se com uma análise profunda de seus alentadores econômicos. Não somente me refiro ao antigo axioma de que em épocas de crise e de guerra aumenta o consumo suntuário. Tampouco somente os sobresoldos que recebem os militares (em Chiapas, os altos mandos militares recebiam, ou recebem, um salário extra de 130% por estar em “zona de guerra”). Também haveria que buscar nas patentes, provedores e crediários internacionais que não estão na chamada “Iniciativa Mérida”.
Se a guerra de Felipe Calderón Hinojosa (embora tem-se tratado, em vão, de endorsá-la a todos os mexicanos) é um negócio (o que o é), falta responder às perguntas de para quem ou quais são os negócios, e qual cifra monetária alcança.

Algumas estimativas econômicas.
Não é pouco o que está em jogo:
(nota: as quantidades detalhadas não são exatas devido a falta de transparência nos dados governamentais oficiais. por isso, em alguns casos recorreu-se ao publicado no Diário Oficial da Federação complementado com dados das dependências e informacão jornalística séria).
Nos primeiros 4 anos da “guerra contra o crime organizado” (2007-2010), as principais entidades governamentais encarregadas (Secretaria da Defesa Nacional –a dizer: exército e força aérea-, Secretaria de Marinha, Procuradoria General da República e Secretaria de Segurança Pública) receberam da Verba de Egressos da Federação uma quantidade superior aos 366 mil milhões de pesos (uns 30 mil milhões de dólares ao câmbio atual). As 4 dependências governamentaiss federais receberam: em 2007 mais de 71 mil milhões de pesos; em 2008 mais de 80 mil milhões; em 2009 mais de 113 mil milhões e em 2010 foram mais de 102 mil milhões de pesos. A isto haverá que somar o mais de 121 mil milhões de pesos (uns 10 mil milhões de dólares) que receberam neste ano de 2011.
Tão somente a Secretaria de Segurança Pública passou de receber uns 13 mil milhões de pesos de verba em 2007, a manejar mais de 35 mil milhões de pesos em 2011 (talvez seja porque as produções cinematográficas estão mais custosas).
De acordo com o Terceiro Informe de Governo de setembro de 2009, ao mês de junho desse ano, as forças armadas federais contavam com 254, 705 elementos (202, 355 do Exército e Força Aérea e 52, 350 da Armada).
Em 2009 a verba para a Defesa Nacional foi de 43 mil 623 milhões 321 mil 860 pesos, ao que somou-se 8 mil 762 milhões 315 mil 960 pesos (25.14% mais), em total: mais de 52 mil milhões de pesos para o Exército e Força Aérea. A Secretaria de Marinha: mais de 16 mil milhões de pesos: Segurança Pública: 33 mil milhões de pesos; e Procuradoria Geral da República: mais de 12 mil milhões de pesos.
Verba total para a “guerra contra o crime organizado” em 2009: mais de 113 mil milhões de pesos.
No ano de 2010, um soldado federal raso ganhava uns 46, 380 pesos anuais; um general divisionário recebia 1 milhão 603 mil 80 pesos ao ano, e o Secretario da Defesa Nacional recebia salários anuais de 1 milhão 859 mil 712 pesos.
Se as matemáticas não me falhan, com a verba bélica total de 2009 (113 mil milhões de pesos para as 4 dependências) poderiam ter sido pagos os salários anuais de 2 milhões e meio de soldados rasos; ou de 70 mil 500 generais de divisão; ou de 60 mil 700 titulares da Secretaria de Defesa Nacional.
Mas, obviamente, nem tudo o que se tem em verba vai para salário e prestações de serviços. Se necessitam armas, equipamentos, balas… porque as que se têm já não servem ou estão obsoletas.
“Se o Exército mexicano entrasse em combate com suas pouco mais de 150 mil armas e seus 331.3 milhões de cartuchos contra algum inimigo interno ou externo, seu poder de fogo somente alcançaria em média para 12 dias de combate contínuo, assinalam estimativas do Estado Maior da Defesa Nacional (Emaden) elaboradas por cada uma das armas ao Exército e Força Aérea. Segundo as previsões, o fogo de artilharia de canhões de 105 milímetros alcançaria, por exemplo, para combater somente por 5.5 dias disparando de maneira contínua as 15 granadas para dita arma. As unidades blindadas, segundo a análise, tem 2 mil 662 granadas 75 milímetros.
Ao entrar em combate, as tropas blindadas gastariam todos seus cartuchos em nove dias. Enquanto a Força Aérea, assinala-se que existem pouco mais de 1.7 milhões de cartuchos calibre 7.62 mm que são empregados por aviões PC-7 y PC-9, e por helicópteros Bell 212 e MD-530. Em uma conflagração, esses 1.7 milhões de cartuchos esgotariam-se em cinco dias de fogo aéreo, segundo os cálculos de Sedena. A dependência adverte que os 594 equipamentos de visão noturna e os 3 mil 95 GPS usados pelas Forças Especiais para combater os cárteis da droga, “já cumpriram seu tempo de serviço”.
As carências e o desgaste nas filas do Exército e Força Aérea são patentes e alcançam níveis inimaginados em praticamente todas as áreas operativas da instituição. A análise da Defesa Nacional assinala que os óculos de visão noturna e os GPS têm entre cinco e 13 anos de antiguidade, e “já cumpriram seu tempo de serviço”. O mesmo ocorre com os “150 mil 392 coberturas antifragmento” que usam as tropas. 70% cumpriu sua vida útil em 2008, e os 41 mil 160 coletes antibala o farão em 2009. (…).
Neste panorama, a Força Aérea resulta no setor mais golpeado pelo atraso e dependência tecnológica ao estrangeiro, em especial dos Estados Unidos e Israel. Segundo Sedena, os depósitos de armas da Força Aérea têm 753 bombas de 250 a mil libras cada uma. Os aviões F-5 e PC-7 Pilatus usam essas armas. As 753 existentes alcançam para combater ar-terra por um dia. As 87 mil 740 granadas calibre 20 milímetros para jets F-5 alcançam para combater inimigos externos ou internos por seis dias. Finalmente, Sedena revela que os mísseis ar-ar para os aviões F-5, é de somente 45 peças, que representam unicamente um dia de fogo aéreo.” Jorge Alejandro Medellín em “O Universal”, México, 02 de janeiro de 2009.
Isto se conhece em 2009, 2 anos depois do início da chamada “guerra” do governo federal. Deixemos de lado a pergunta óbvia de como foi possível que o chefe supremo das forças armadas, Felipe Calderón Hinojosa, se lançara à uma guerra (“de grande fôlego” disse ele) sem ter as condições materiais mínimas para mantế-la, já não digamos para “ganhá-la”. Então perguntemo- nos: Quais indústrias bélicas vão se beneficiar com as compras de armamento, equipamentos e parque?
Se o principal promotor desta guerra é o imperio das barras e das estrelas turvas (fazendo as contas, em realidade as únicas felicitações que recebeu Felipe Calderón Hinojosa vieram do governo estadunidense), não há que perder de vista que ao norte do Rio Bravo não se outorgam ajudas, e sim que se fazem investimentos, a dizer, negócios.
Vitórias e derrotas.
Ganham os Estados Unidos com essa guerra “local”? A resposta é: sim. Deixando de lado os ganhos econômicas e a inversão monetária em armas, parque e equipamentos (não esqueçamos que os EUA são o principal provedor de tudo isso aos bandos adversários: autoridades e “delinquentes” -a “guerra contra a delinquência organizada” ´e um negócio redondo para a indústria militar estadunidense-), está, como resultado desta guerra, uma destruição / despovoamento e reconstrução / reordenamento geopolítico que os favorece.
Esta guerra (que está perdida para o governo desde que se concebeu, não como uma solução de um problema de insegurança, mas um problema de legitimidade questionada), está destruindo o último reduto que resta à uma Nação: o tecido social.
Que melhor guerra para os Estados Unidos que uma que o outorgue ganhos, território e controle político e militar sem as incômodas “body bags” e os feridos de guerra que ali chegaram, antes, do Vietnã e agora do Iraque e Afeganistão?
As revelações do Wikileaks sobre as opiniões no alto mando estadunidense acerca das “deficiências” do aparato repressivo mexicano (sua ineficácia e sua conspiração com a delinquência), não são novas. Não somente no senso comum das pessoas, mas também nas altas esferas do governo e do Poder no México isso é uma certeza. A piada que é uma guerra desigual porque o crime organizado sim está organizado e o governo mexicano está desorganizado, é uma lúgubre verdade.
Em 11 de dezembro de 2006, inicia-se formalmente esta guerra com o então chamado “Operativo Conjunto Michoacán”. 7 mil elementos do exército, a marinha e as polícias federais lançam uma ofensiva (conhecida popularmente como “el michoacanazo”) que, passada a euforia midiática desses dias, resultou ser um fracasso. O mando militar foi do general Manuel García Ruiz e o responsável do operativo Gerardo Garay Cadena da Secretaria de Segurança Pública. Hoje, e desde dezembro de 2008, Gerardo Garay Cadena está preso no presídio de segurança máxima de Tepic, Nayarit, acusado de conluio com “el Chapo” Guzmán Loera.
E, a cada passo que se dá nesta guerra, para o governo federal é mais difícil explicar aonde está o inimigo a vencer.
Jorge Alejandro Medellín é um jornalista que colabora com vários meios informativos -a revista “Contralínea”, o semanário “Acentoveintiuno”, e o portal de notícias “Eje Central”, entre outros -e especializou-se nos temas de militarismo, forças armadas, segurança nacional e narcotráfico. Em outubro de 2010 recebeu ameaças de morte por um artigo aonde assinalou as possíveis ligações do narcotráfico com o general Felipe de Jesús Espitia, ex comandante da V Zona Militar e ex chefe da Seção Sétima -Operações Contra o Narcotráfico- no governo de Vicente Fox, e responsável pelo Museu do Narcotráfico situado nos cômodos da S-7. O general Espitia foi removido como comandante da V Zona Militar ante o estrondoso fracasso dos operativos ordenados por ele em Ciudad Juárez e pela pobre resposta que deu aos massacres cometidos na cidade fronteiriça.
Mas o fracasso da guerra federal contra a “delinquência organizada”, a jóia da coroa do governo de Felipe Calderón Hinojosa, não é um destino a lamentar para o Poder nos EUA: é a meta a conseguir.
Por mais que se esforcem os meios massivos de comunicação em apresentar como rotundas vitórias da legalidade, as escaramuças que todos os dias se dão no território nacional, não conseguem convencer.
E não somente porque os meios massivos de comunicação foram rebaixados pelas formas de intercâmbio de informação de grande parte da população (não somente, mas também as redes sociais e a telefonia celular), também, e sobretudo, porque o tom da propaganda governamental tem passado da tentativa de engano à tentativa da zombaria (desde que “ainda não pareça vamos ganhando” até o de “uma minoria ridícula”, passando pelas bravatas de cantina do funcionário em turno).
Sobre esta outra derrota da imprensa, escrita e de rádio e televisão, voltarei em outra carta. Por agora, e em respeito ao tema que agora nos ocupa, basta recordar que o “não passa nada em Tamaulipas” que era apregoado pelas notícias (marcadamente de rádio e televisão), foi derrotado pelos vídeos feitos por cidadãos com celulares e câmaras portáteis e compartilhados pela internet.
Mas voltemos à guerra que, segundo Felipe Calderón Hinojosa, nunca disse que era uma guerra. Não disse, não é?
“Vejamos se é guerra ou não é guerra: em 5 de dezembro de 2006, Felipe Calderón disse: “Trabalhamos para ganhar a guerra à delinquência…”. Em 20 de dezembro de 2007, durante um café-da-manhã com a equipe naval, o senhor Calderón utilizou em quatro ocasiões em um só discurso, o termo guerra. Disse: “A sociedade reconhece de maneira especial o importante papel de nossos marines na guerra que meu Governo encabeça contra a insegurança…”, “A lealdade e a eficácia das Forças Armadas, são uma das mais poderosas armas na guerra que livramos contra ela…”, “Ao iniciar esta guerra frontal contra a delinquência assinalei que esta seria uma luta de longo fôlego”, “…assim são, precisamente, as guerras…”.
Mas ainda há mais: o 12 de setembro de 2008, durante a Ceremônia de Encerramento e Abertura de Cursos do Sistema Educativo Militar, o autoproclamado “Presidente do emprego”, alçou vôo pronunciando em média em uma dezena de ocasiões, o termo guerra contra o crime: “Hoje nosso país vive uma guerra muito distinta a que afrontaram os insurgentes em 1810, uma guerra distinta a que afrontaram os cadetes do Colégio Militar há 161 anos…” “…todos os mexicanos de nossa geração têm o dever de declarar a guerra aos inimigos do México… Por isso, nesta guerra contra a delinquência…” “É imprescindível que todos os que somamos a essa frente comum passem da palavra aos feitos e que declaremos, verdadeiramente, a guerra aos inimigos do México…” “Estou convencido de que esta guerra vamos ganhar…” (Alberto Vieyra Gómez. Agência Mexicana de Notícias, 27 de janeiro de 2011).
Ao contradizer-se, aproveitando o calendário, Felipe Calderón Hinojosa não emenda o plano nem corrige-se conceitualmente. Não, o que ocorre é que as guerras se ganham ou se perdem (neste caso, se perdem) e o governo federal não quer reconhecer que o ponto principal de sua gestão havia fracassado militar e politicamente.

Guerra sem fim? A diferença entre a realidade… e os videojogos.
Frente ao fracasso inegável de sua política guerrerista, Felipe Calderón Hinojosa vai mudar de estratégia?
A resposta é NÃO. E não somente porque a guerra de cima é um negócio e, como qualquer negócio, mantém-se enquanto segue produzindo ganhos.
Felipe Calderón Hinojosa, o comandante em chefe das forças armadas; o fervoroso admirador de José María Aznar; o autodenominado “filho desobediente”; o amigo de Antonio Solá; o “ganhador” da presidência por meio ponto porcentual da votação emitida graças à alquimia de Elba Esther Gordillo; o dos insultos autoritários mais próximos da birra (“ou baixam ou mando por vocês”); o que quer tapar com mais sangue do que das crianças assasinadas na creche ABC, em Hermosillo, Sonora; o que tem acompanhado sua guerra militar com uma guerra contra o trabalho digno e o salário justo; o de calculado autismo frente aos assasinatos de Marisela Escobedo e Susana Chávez Castillo; o que reparte etiquetas mortuárias de “membros do crime organizado” aos meninos e meninas, homens e mulheres que foram e são assasinados porque sim, porque lhes aconteceu de estar no calendário e na geografía equivocados, e não alcançam sequer serem nomeados porque nada os leva em conta, nem a imprensa, nem as redes sociais.
Ele, Felipe Calderón Hinojosa, é também um fã dos videojogos de estratégia militar.
Felipe Calderón Hinojosa é um “gamer” “que em quatro anos converteu um país em uma versão mundana de The Age of Empire -seu videojogo preferido-, (…) um amante -e mal estrategista- da guerra” (Diego Osorno em “Milenio Diario”, 3 de outobro de 2010).
É ele que nos leva a perguntar: Está o México sendo governado ao estilo de um videojogo? (creio que eu sim posso fazer este tipo de perguntas comprometedoras sem risco de que me despeçam por falhar a um “código de ética” que se pauta pela publicidade paga).
Felipe Calderón Hinojosa não se deterá. E não somente porque as forças armadas não permitiriam (negócios são negócios), mas também pela obstinação que tem caracterizado a vida política do “comandante em chefe” das forças armadas mexicanas.
Façamos um pouco de memória: Em março de 2001, quando Felipe Calderón Hinojosa era o coordenador parlamentário dos deputados federais da Ação Nacional, deu-se aquele lamentável espetáculo do Partido Ação Nacional quando negou-se que uma delegação indígena conjunta do Congresso Nacional Indígena e o EZLN fizessem uso da tribuna do Congresso da União na ocasião da chamada “marcha da cor da terra”.
Apesar de que se estava mostrando ao PAN como uma organização política racista e intolerante (e o é) por negar aos indígenas o direito a serem escutados, Felipe Calderón Hinojosa manteve-se em sua negativa. Todos lhe diziam que era um erro assumir essa posição, mas o então coordenador dos deputados panistas não cedeu (e terminou escondido, junto con Diego Fernández de Cevallos e outros ilustres panelistas, em um dos salões privados da câmara, vendo pela televisão os indígenas fazerem uso da palavra em um espaço que a classe política reserva para suas esquetes).
“Sem importar os custos políticos”, havia dito então Felipe Calderón Hinojosa.
Agora diz o mesmo, mesmo que hoje não se trate dos custos políticos que assume um partido político, mas dos custos humanos que paga o país inteiro por essa obstinação.
Estando já por terminar esta missiva, encontrei as declarações da secretaria de segurança interior dos Estados Unidos, Janet Napolitano, especulando sobre as possíveis alianças entre Al Qaeda e os cartéis mexicanos da droga. Um dia antes, o subsecretário do Exército dos Estados Unidos, Joseph Westphal, declarou que no México existe uma forma de insurgência encabeçada pelos cartéis da droga que potencialmente poderiam tomar o governo, o qual implicaria uma resposta militar estadunidense. Agregou que não desejava ver uma situação aonde soldados estadunidenses fossem enviados a combater uma insurgência “sobre nossa fronteira… ou ter que enviá-los a cruzar essa fronteira” até México.
Enquanto isso, Felipe Calderón Hinojosa, asistia a um simulacro de resgate em um povo de utilitários, en Chihuahua, e se subiu a um avião de combate F-5, sentou-se ao assento do piloto e brincou com um “disparem mísseis”.
Dos videojogos de estratégia aos “simuladores de combate aéreo” e “disparos em primeira pessoa”? De Age of Empires ao HAWX?
O HAWX é um videojogo de combate aéreo aonde, em um futuro próximo, as empresas militares privadas (“Private military company”) tomam o lugar dos exércitos governamentais em vários países. A primeira missão do videojogo consiste em bombardear Ciudad Juárez, Chihuahua, México, porque as “forças rebeldes” se apoderaram da praça e ameaçam avançar rumo ao território estadunidense-.
Não no videojogo, mas no Iraque, uma das empresas militares privadas contratadas pelo Departamento de Estado estadunidense e a Agência Central de Inteligência foi “Blackwater USA”, que depois trocou seu nome a “Blackwater Worldwide”. Seu pessoal cometeu sérios abusos no Iraque, incluindo o assasinato de civis. Agora mudou seu nome a “Xe Services LL” e é o maior contrado de segurança privada do Departamento de Estado estadunidense. Ao menos 90% de seus ganhos provêm de contratos com o governo dos Estados Unidos.
No mesmo dia em que Felipe Calderón Hinojosa brincava no avião de combate (10 de fevereiro de 2011), no estado de Chihuahua, uma menina de 8 anos morre ao ser alcançada por uma bala em um tiroteio entre pessoas armadas e membros do exército.
Quando vai a terminar essa guerra?
Quando aparecerá na tela do governo federal o “game over” do fim de jogo, seguido dos créditos dos produtores e patrocinadores da guerra?
Quando vai poder dizer Felipe Calderón “ganhamos a guerra, impomos nossa vontade ao inimigo, destruimos sua capacidade material e moral de combate, foram (re)conquistados os territórios que estavam em seu poder”?
Desde que foi concebida, essa guerra não tem final e também está perdida.
Não haverá um vencedor mexicano nestas terras (diferente do governo, o Poder estrangeiro sim tem um plano para reconstruir – reordenar o território), e o derrotado será o último rincão do agonizante Estado Nacional do México: as relações sociais que, dando identidade comum, são a base de uma Nação.
Mesmo antes do suposto final, o tecido social estará gasto por completo.

Resultados: a Guerra acima e a morte abaixo.
Vejamos o que informa o Secretário de Governo federal sobre a “não guerra” de Felipe Calderón Hinojosa:
“O ano de 2010 foi o ano mais violento do sexênio ao acumular-se 15 mil 273 homicídios vinculados ao crime organizado, 58% a mais que os 9 mil 614 registrados durante 2009, de acordo com a estatística difundida esta quarta-feira pelo Governo Federal. De dezembro de 2006 ao final de 2010 serão contabilizados 34 mil 612 crimes, dos quais 30 mil 913 são casos assinalados como “execuções”; três mil 153 são denominados como “enfrentamentos” e 544 estão no segmento “homicídios-agressões”. Alejandro Poiré, secretário técnico do Conselho de Segurança Nacional, apresentou uma base de dados oficial elaborada por especialistas que mostrará a partir de agora “informação desagregada mensal, a nível estatal e municipal” sobre a violência em todo o país.” (Jornal “Vanguardia”, Coahuila, México, 13 de janeiro de 2011)
Perguntemos: Desses 34 mil 612 assassinados, quantos eram delinquentes? E os mais de mil meninos e meninas assassinados (que o Secretário de Governo “esqueceu” de desmembrar em sua conta), também eram “fascínoras” do crime organizado? Quando no governo federal se proclama que “vamos ganhando”, a quê cartel da droga se referem? Quantas dezenas de mil mais são parte dessa “ridícula minoria” que é o inimigo a vencer?
Enquanto lá em cima tratam inutilmente de desdramatizar em estatísticas os crimes que sua guerra provoca, é preciso assinalar que também está se destruindo o tecido social em quase todo o território nacional.
A identidade coletiva da Nação está sendo destruída e está sendo suplantada por outra.
Porque “uma identidade coletiva não é mais que uma imagem que um povo se forja de si mesmo para reconhecer-se como pertencente a esse povo. Identidade coletiva são aqueles arroubos em que um indivíduo se reconhece como pertencente à uma comunidade. E a comunidade aceita este indivíduo como parte dela. Esta imagem que o povo se forja não é necessariamente a perduração de uma imagem tradicional herdada, senão que geralmente a forja o indivíduo mesmo em tanto pertencente à uma cultura, para fazer consistente seu passado e sua vida atual com os projetos que tem para essa comunidade.
Então, a identidade não é um simples legado que se herda, senão que é uma imagem que se constrói, que cada povo se cria, e por isso é variável e cambiante segundo as circunstâncias históricas”. (Luis Villoro, novembro de 1999, entrevista com Bertold Bernreuter, Aachen, Alemanha).
Na identidade coletiva de boa parte do território nacional não está, como se nos querem fazer crer, a disputa entre a bandeira-pátria (lábaro-patrio) e o narco-corrido [NT: música mexicana oriunda do folk corrido e letras que contam a realidade do narcotráfico, como no funk carioca, ou o rap] (se não apoia-se o governo então apoia-se a delinquência, e viceversa).
Não.
O que há é uma imposição, pela força das armas, do medo como imagem coletiva, da incerteza e a vulnerabilidade como espelhos nos quais esses coletivos se refletem.
Quê relações sociais podem manter-se ou serem tecidas se o medo é a imagem dominante com a qual se pode identificar um grupo social, se o sentido de comunidade rompe-se ao grito de “salve-se quem puder”?
Desta guerra não somente vão resultar milhares de mortos… mas também suculentos ganhos econômicos.
Também, e sobretudo, vai resultar uma nação destruída, despovoada, destruída irremediavelmente.

III.- NADA QUÊ FAZER?
Quem são os que arrancam suas mesquinhas somas e diminutivos eleitorais nesta conta mortal, os recordamos:
Fazem 17 anos, em12 de janeiro de 1994, uma gigantesca mobilização cidadã (veja bem: sem chefes, comandos centrais, líderes ou dirigentes) parou a guerra aqui. Frente ao horror, a destruição e as mortes, há 17 anos a reação foi quase imediata, contundente, eficaz.
Agora é a pasmaceira, a avareza, a intolerância, a ruindade que poupa apoios e convoca à imobilidade… e a ineficácia.
A iniciativa louvável de um grupo de trabalhadores da cultura (“MAIS SANGUE NÃO”) foi desqualificada desde seu início por não “submeter-se” a um projeto eleitoral, por não cumprir o mandato de esperar até 2012.
Agora que têm a guerra lá, em suas cidades, em suas ruas, em suas estradas, em suas casas, que fizeram? Digo, além de “submeter-se” diante de quem tem “o melhor projeto”.
Pedir às pessoas que esperem até 2012? Que então sim há que votar, a votar pelo menos mau e agora sim vai-se a respeitar o voto?
Se vão mais de 34 mil mortos em 4 anos, são mais de 8 mil mortes anuais. A dizer, temos que esperar 16 mil mortos mais para fazer algo?
Porque vai ficar pior. Se as apostas atuais para as eleições presidenciais de 2012 (Enrique Peña Nieto e Marcelo Ebrard), governam as entidades com o maior número de cidadãos, não é de se esperar que aí aumente a “guerra contra a delinquência organizada” com sua cauda de “danos colaterais”?
Quê vão fazer? Nada. Vão seguir o mesmo caminho de intolerância e satanização como fazem há 4 anos, quando em 2006 tudo que não fora a favor de López Obrador era acusado de servir à direita. @s que nos atacaran e caluniaram então e agora, seguem o mesmo caminho frente a outros movimentos, organizações, protestos, mobilizações.
Por quê a suposta grande organização nacional que se prepara para que nas próximas eleições federais, agora sim, ganhe um projeto alternativo de nação, não faz algo agora? Digo, se pensam que podem mobilizar milhões de mexicanos para que votem por alguém, por quê não mobilizá-los para parar a guerra e que o país sobreviva? Ou é um cálculo mesquinho e ruim? Que a conta de mortes e destruição reste ao oponente e some ao eleito?
Hoje, em meio a esta guerra, o pensamento crítico volta a ser postergado. Primeiro o primeiro: o 2012 e as respostas às perguntas sobre os “galos”, novos ou reciclados, para esse futuro que se desmorona desde hoje. Tudo deve subordinarse a esse calendário e a seus passos prévios: as eleições locais em Guerrero, Baja California Sur, Hidalgo, Nayarit, Coahuila, e Estado do México.
E enquanto tudo se derruba, nos dizem que o mais importante é analisar os resultados eleitorais, as tendências, as possibilidades. Pedem para aguentar até que seja o momento de riscar o boleto do voto, e de volta a esperar que tudo se conserte e volte-se a levantar o frágil castelo de naipes da classe política mexicana.
Recordam que eles se burlaram e atacaram aqueles que desde 2005 chamam as pessoas a organizar-se segundo suas próprias demandas, história, identidade e aspirações e não apostar em que alguém lá em cima vai solucionar tudo?
Nos equivocamos nós ou eles?
Quem nas principais cidades se atreve a dizer que pode sair com tranquilidade já não na madrugada, mas apenas à noite?
Quem faz seu o “vamos ganhando” do governo federal e vê com respeito, e não com medo, os soldados, marines e policiais?
Quem são os que se despertam agora sem saber se vão estar vivos, sãos ou livres ao finalizar o dia que começa?
Quem não pode oferecer às pessoas uma saída, uma alternativa, que não seja esperar as próximas eleições?
Quem não pode colocar em marcha uma iniciativa que realmente sustente-se localmente, não digamos a nível nacional?
Quem ficou sozinho?
Porque ao final, quem vai permanecer serão aqueles que resistiram; aqueles que não se venderam; aqueles que não se renderam; aqueles que não ratearam; aqueles que entenderam que as soluções não vêm de cima, senão que se constróem abaixo; aqueles que não apostaram nem apostam as ilusões que vendem uma classe política que tem tempo e que fede como um cadáver; aqueles que não seguiram o calendário de cima nem aderiram à sua geografia nem a esse calendário convertendo um movimento social em uma lista de números de credenciais do IFE; aqueles que frente à guerra não ficaram imóveis, esperando o novo espetáculo malabarista da classe política no toldo circense eleitoral, senão que construiram uma alternativa social, não individual, de liberdade, justiça, trabalho e paz.

IV.- A ÉTICA E NOSSA OUTRA GUERRA.
Antes dizíamos que a guerra é inerente ao capitalismo e que a luta pela paz é anticapitalista.
Você, Don Luis, também disse antes que “a moralidade social constitui somente um primeiro nível, precrítico, da ética. A ética crítica começa quando o sujeito se distancia das formas de moralidade existentes e se pergunta pela validez de suas regras e comportamentos. Pode aperceber-se que a moralidade social não cumpre as virtudes que proclama.”

É possível trair a Ética à guerra? É possível fazê-la irromper por entre desfiles castrenses, graus militares, reféns, operativos, combates, mortes? É possível trazê-las a questionar a validade das regras e comportamentos militares?
Ou a exposição de sua possibilidade não é mais que um exercício de especulação filosófica?
Porque talvez a inclusão desse “outro” elemento na guerra somente seria possível em um paradoxo. Incluir a ética como fator determinante de um conflito traria como consequência um reconhecimento radical: o adversário sabe que o resultado de seu “triunfo” será sua derrota.
Eu não me refiro a derrota como “destruição” ou “abandono”, senão a negação da existência como força beligerante. Isto é, uma força faz uma guerra que, se a ganha, significará sua desaparição como força. E se a perde igual, mas ninguém faz uma guerra para perdê-la (bem, Felipe Calderón Hinojosa sim).
E aqui está o paradoxo da guerra zapatista: se perdemos, ganhamos; e se ganhamos, ganhamos. A chave está em que a nossa é uma guerra que não pretende destruir ao contrário no sentido clássico.
É uma guerra que trata de anular o terreno de sua realização e as posibilidades dos adversários (nós incluidos).
É uma guerra para deixar de ser o que agora somos e assim ser o que devemos ser.
Isto tem sido possível porque reconhecemos ao outro, a outra, que, em outras terras de México e do Mundo, e sem ser iguais a nós, sofrem as mesmas dores, sustentam resistências semelhantes, que lutam por uma identidade múltipla que não anule, avassale, conquiste, e que anseiam um mundo sem exércitos.
Há 17 anos, em 1 de janeiro de 1994, se fez visível a guerra contra os povos originários do México.
Olhando a geografia nacional neste calendário, nós recordamos:
Não éramos nós, os zapatistas, os violentos? Não nos acusaram de pretender partir o território nacional? Não foi dito que nosso objetivo era destruir a paz social, minar as instituições, semear o caos, promover o terror e acabar com o bem-estar de uma Nação livre, independente e soberana? Não assinalou-se até a fartura que nossa demanda de reconhecimento aos direitos e a cultura indígenas afrontava a ordem social?
Há 17 anos, em 12 de janeiro de 1994, uma mobilização civil, sem filiação política definida, nos demandou tentar o caminho do diálogo para resolver nossas demandas.
Nós cumprimos.
Uma e outra vez, apesar da guerra contra nós, insistimos em iniciativas pacíficas.
Durante anos temos resistido ataques militares, ideológicos e econômicos, e agora o silêncio sobre o que aqui ocorre.
Nas condições mais difíceis não somente não nos rendemos, nem nos vendemos, nem arquejamos, como também construimos melhores condições de vida em nossos povos.
Ao princípio desta missiva disse que a guerra é uma velha conhecida dos povos originários, dos indígenas mexicanos.
Mais de 500 anos despois, mais de 200 anos depois, mais de 100 anos depois, e agora com esse outro movimento que reclama sua múltipla identidade comunal, dizemos:
Aqui estamos.
Temos identidade.
Temos sentido de comunidade porque nem esperamos nem suspiramos porque vieram de cima as soluções que necessitamos e merecemos.
Porque não sujeitamos nosso andar a quem olha acima.
Porque, mantendo a independência de nossa proposta, nos relacionamos com equidade com o outro que, como nós, não somente resiste, também tem construido uma identidade própria que o dá pertencimento social, e agora também representa a única oportunidade sólida de sobrevivência ao desastre.
Nós somos poucos, nossa geografia é limitada, somos ninguém.
Somos povos originários dispersos na geografia e calendários mais distantes.
Nós somos outra coisa.
Somos poucos e nossa geografia é limitada.
Mas em nosso calendário não manda a soçobra.
Nós somente temos a nós mesmos.
Talvez seja pouco o que temos, mas não temos medo.
Adeus, Don Luis. Saúde e que a reflexão crítica anime novos passos.
Desde as montanhas do Sudeste Mexicano.
Subcomandante Insurgente Marcos.
México, Janeiro-Fevereiro de 2011


segunda-feira, 21 de março de 2011

Um dia em Teotihuacán

Alguma coisa certa nessa vida devo ter feito para merecer isso... Quando pisamos em lugares tão antigos e podemos de algum modo entender o sagrado que os habita nosso coração cresce um pouco mais. Hoje, dia 21 de março, começou oficialmente a primavera no México. Desde ontem inúmeras cerimônias estão acontecendo e hoje é um dia especial em Teotihuacán. Essa que foi uma das maiores cidades do mundo, o centro econômico e político mais influente da maior parte do tempo préhispanico dessas terras, guarda três lugares muito importantes para a história do povo mexicano. Essas terras são habitados a mais de 2 mil anos.
Há a piramide del Sol, de la Luna e de la Serpiente. As 6 horas da manhã estava com minha amiga Kay subindo a piramide del Sol para nos banhar dos primeiros raios de luz que iniciam a primavera. Foi mais ou menos assim:


Templo de La Serpiente, o mais antigo do vale e erguido a aproximadamente 200 A.C. Ele é o menor e visto daqui nessa época do ano se confunde facíl com a paisagem... Existem fortes indícios de que ele foi feito com a finalidade de culto a Água e também para o Tempo e os ciclos das estações do ano.

Infelizmente não conseguimos entrar porque faz poucos meses, que felizmente, encontraram alguns artefatos que podem dizer mais coisas importantes desse lugar.

Esta é a Calzada de los muertos. Acho que o nome já fala por si. Aqui no final dela fica a piramide de la Luna. Foi o principal caminho de toda a cidade.
Eis a piramide de la Luna vista durante a subida da piramide del Sol.
Aqui soy yo. Morrendo de frio, já que estamos praticamente no deserto e são quase 7 da manhã. E lá esta a piramide de la Luna...
E claro que não estavamos sós. A muvuca estava chegando, mas como era bem cedo estavam lá no alto alguns poucos grupos que se denominam herdeiros da cultura Mexica tocando e cantando lindamente, uns malucos new age/calendário maia abraçando e rolando nas pedras, umas senhorinhas simpáticas e nós. O fato é que chegar lá e sentir o sol me fez ter uma profunda alegria e um contentamento bem raro. Apenas levantei meus braços e reverenciei nosso querido Sol, exatamente como feito a dois mil anos naquele lugar.
Aqui a piramide del Sol vista da piramide de la Luna. Detalhe no balão a esquerda chegando...
Aqui novamente a piramide del Sol vista da piramide de la luna e parte do caminho dos mortos por entre construções menores que serviam a muitas atividades.
Tem mais em breve...

domingo, 20 de março de 2011

Metrô da Cidade do México

Custa $3,00 pesos, ou algo perto de $0,50 de real.

sexta-feira, 18 de março de 2011

La Ciudad de Mexico en 5.

Cena 1 - Saio do aeroporto e vou direto para a estação. No metrô dois homens entram sem camisa e pedem a atenção. Abrem uma trouxa com uma quantidade razoável de cacos de vidros e o esparramam pelo chão. Você dúvida do que pode acontecer... Sim, eles rolando e se lançam nos vidros! Fazem isso por cerca de 45 segundos e se voltam para as pessoas e pedem qualquer moeda. Sim, estou no metrô da cidade que muitos consideram como a cidade mais caótica e populoso do mundo: Ciudad de Mexico!

Cena 2 - Segundo dia, e sim, o caos reina no trânsito e não consigo ainda entender com ele pode funcionar... Mas seria muita sacanagem falar disso agora, o que importa é comer até morrer muitas tortillas, burritos e quesadillas por 10 pesos! Deus, como essa comida incrível pode custar tão pouco? Menos de 1 dolar. A gente até sabe, mas...

Cena 3 - Pensa nos camelôs do centrão com os carrinhos vendendo cds e dvds? Então, esqueça. Aqui em DF o negócio é ter uma caixa de som relativamente pequena, mas potente, dentro da mochila e sair por ai tocando o que quer que seja. O que mais me chama atenção é o fato de que mais da metade desses trabalhadores, que estão principalmente dentro do metrô, é cega. Sim, os deficientes visuais vão por ai com suas bengalas e a música no último volume gritando: Son diez pesos! Soló diez pesos!

Cena 4 - Conhecemos a tradição músical da América Latina e a do México honra isso sem dó nem piedade. Não ficamos 5 minutos sem ouvir algo. E nos transportes públicos, ounibus ou metrô, você não fica menos de 10 minutos sem ouvir alguém tocando alguma coisa. Ontem apareceu um cara com pedestal, microfone e bateria portáteis dentro do vagão. Para esse tive sim que dar uma grana.

Cena 5 - Como vocês podem ver, eu não estou me contendo com o transporte público dos caras! Peguei o camiñon (tipo lotação, onde o motorista também é o cobrador) hoje e ele estava cheio pra caramba. Mi nuevo compradre Hector corre até a porta de trás e entra. Sem entender muito bem o que esta acontecendo vou atrás. Ele então retira a moeda do bolso e pede para a pessoa mais próxima, que por favor, passe o dinheiro até o motorista! A moeda foi indo de mão em mão até o homem em poucos segundo e fiquei pensando que isso só pode ser o jetinho mexicano! Agora estou começando a ficar em casa. Esse lugar é do c...!

domingo, 13 de março de 2011

Ficaremos alguns dias sem aparecer por aqui. E quando voltarmos estaremos direto da Cidade do México. Herman@s: ai vamos nós!

sexta-feira, 11 de março de 2011

1 ano da Casa do Saci!


Dia 13 de março a Casa do Saci faz um ano! Os projetos estarão durante o mês inteiro em plena comemoração.

Dia 12/03 será um dia especial, com música de moda de viola ao vivo com o Fumo de Corda e sonoplastia de Alê Campos entreatos. À meia-noite de 12 para 13 será a grande virada!!

Acompanhe a programação desse mês especial na nossa página Cultural!!!

Aguardamos todos no SACI!!

A morte do “bispo dos indígenas”: a sua lição permanece.

por Guga Dorea

"No EZLN, militam pessoas com diferentes credos e sem crença religiosa alguma, porém, a estatura humana desse homem (a de quem, como ele, caminha do lado dos oprimidos, dos despojados, dos reprimidos, dos depreciados), chama a nossa palavra". Esse é apenas um pequeno trecho da homenagem proferida pelo Exército Zapatista de Libertação Nacional à Dom Samuel Ruiz. Bispo emérito de San Cristóbal de Las Casas, Chiapas, México, diocese que dirigiu entre 1960 e 2000, D. Samuel faleceu no dia 24 de janeiro de 2011 por complicações relacionadas à hipertensão e diabete.

Conheci o bispo Samuel Ruiz quando estive em Chiapas entre 1994 e 1995, época em que estava se completando um ano da guerra-relâmpago deflagrada pelos zapatistas, no início de 94, por liberdade, dignidade e justiça. Por conta de um pequeno mas inesquecível encontro, optei por escrever esse texto, em sua homenagem, compartilhando algumas impressões que ficaram em mim do México encontrado nessa instigante viagem. No dia 1º de dezembro, alguns dias antes da chegada de nosso grupo de jornalistas, já sabia que o EZLN havia rompido a trégua com o governo e ocupado 38 dos 111 municípios de Chiapas.

Encontrei um país à beira de mais uma guerra sangrenta. Os zapatistas, que haviam declarado os municípios ocupados como "autônomos e rebeldes", exigiram a intermediação de D. Samuel no desejo que tinham em retomar o diálogo com o governo federal. Como resultado da pressão zapatista, foi criado, no dia 20 de dezembro, a Comissão Nacional de Intermediação (CONAI), que se tornou o principal elo de negociação entre zapatistas e governo, tendo ele como seu principal representante.

Desembarcamos na Cidade do México no dia 23 de dezembro de 1994. Dois dias depois, D. Samuel se encontrou com o subsecretário do governo para tentar chegar a um acordo de paz. Não teve sucesso. O EZLN estava encurralado pelo exército mexicano, que desde o dia 21 de dezembro já havia bloqueado a entrada e saída das pessoas na selva Lacandona, incluindo jornalistas. O governo não queria ceder em nenhum ponto e os zapatistas estavam em um angustiante silêncio.

Seguimos então viagem para a cidade de San Cristóbal de Las Casas, em Chiapas. A viagem de Tuxtla, considerada a cidade comercial mais importante do sul do México, para San Cristóbal, durou aproximadamente três horas. Já era possível observar sinais do conflito por toda parte. Além das frases pró-zapatismo escritas nas montanhas, havia tanques de guerra do exército mexicano, desfilando soberbamente pela sinuosa estrada que ligava as duas cidades. Logo na entrada de San Cristóbal, a primeira revista por parte do exército mexicano. Era preciso mostrar documentos. Logo foi possível perceber que jornalistas não eram bem vindos.

Depois de nos hospedarmos em um simpático hotel, cujo nome era Margarita, caminhamos o mais depressa possível para a igreja matriz da cidade, pois lá estava concentrada a imprensa mundial. Logo ficamos sabendo que haveria uma coletiva para o final da tarde e nos preparamos a fim de participar dela. Foi o nosso primeiro contato, não só com o que realmente acontecia em Chiapas, mas também com a energia conspiradora do bispo Samuel Ruiz.

Em San Cristóbal, era impossível respirar outra coisa que não a política, a ação política mesclada com o discurso, ou, melhor dizendo, a praticidade política transformada em discurso. Foi fácil verificar que, apesar dos pressupostos ideológicos que possam ter influenciado o EZLN, não foi o discurso a mola-mestra do surgimento de uma guerrilha, que não deseja o poder e sim transformação, em pleno final do século XX.

Apesar das ameaças do governo em proibir a passagem de jornalistas e simpatizantes para a Selva Lacandona, programou-se uma caravana de solidariedade na qual fizemos questão de estar presentes. Logo na saída de San Cristóbal, nos deparamos com uma pequena barreira. Estrategicamente, alguns soldados mexicanos apontavam metralhadores para os carros e transeuntes que tentavam passar. A posição era de guerra. Pequenas barricadas de lona haviam sido armadas na saída da cidade e os soldados, deitados em uma postura horizontal, apontavam armas para todos que passavam. Havia ainda soldados que interrompiam o trânsito para identificar as pessoas. Fomos obrigados a mostrar documentos, além de sermos hostilizados a todo instante.

Ultrapassada essa primeira barreira, iniciamos então o caminho para a selva. Durante o percurso, a caravana cruzou com alguns tanques do exército, com homens fortemente armados. Muitos soldados eram jovens, para não dizer crianças. Seguimos o percurso por uma estreita e sinuosa estrada de terra, cheia de curvas inesperadas e de labirintos sem direção, chegando um momento em que alguns carros modificaram sem premeditação o trajeto programado. Entramos em um vilarejo no qual não me lembro o nome e encontramos soldados mexicanos que não gostaram de nossa presença no local. Eles eram bem jovens e desfilavam soberanos com metralhadores K-900 nas mãos. De vez em quando as apontavam para nós, com a nítida intenção de medir forças.

Os soldados estavam em posturas estratégicas para que não tivéssemos contato direto com a população local, que saiu timidamente de suas casas para ver a caravana passar. O objetivo era o de intimidar a população e afastá-la, na medida do possível, dos zapatistas. Conseguimos conversar com alguns moradores que, sem dizer o nome, reclamavam de cotidianas torturas e estupros por parte dos soldados.

Continuamos a viagem e poucos quilômetros depois enfrentamos a primeira grande tensão: a principal barreira do exército mexicano antes de adentrarmos definitivamente nos "municípios rebeldes". Já era bem noite e não havia sequer estrelas para que pudéssemos caminhar com mais precisão. Eram aproximadamente uns 40 carros, com jornalistas e observadores estrangeiros, além de alguns caminhões com mantimentos para serem entregues aos zapatistas.

Em função disso, as horas não passavam, ainda mais que os soldados trataram de revistar um por um cautelosamente. A noite era tão sombria que eles utilizaram lanternas para manusear nossos passaportes e documentos profissionais. Durante as revistas, um caminhão com metralhadoras passeava pela estrada sem asfalto, tentando mostrar a força do exército mexicano no sentido de nos intimidar. Depois de horas de tensão veio a notícia de que poderíamos passar.

Alguns quilômetros depois, encontramos a barreira zapatista que também interrompia o trajeto. Nesse momento, observei o quanto o exército mexicano estava habilmente próximo dos zapatistas. A proximidade de ambos os bloqueios mostrava o quanto a guerra era iminente. Poucos quilômetros à frente, chegamos a um grande balcão, onde eles estavam à espreita aguardando o tão esperado mantimento.

De volta à rotina jornalística dos acontecimentos em San Cristóbal, as notícias eram as mesmas. Apesar da insegurança, uma nova caravana foi organizada para a passagem do ano. Saída: dia 31 de dezembro bem cedo. Entramos finalmente em Guadalupe Tepeyaque. Depois de mais uma semana de silêncio, o EZLN iria se manifestar.

"Não nos rendemos, não nos vendemos. Estamos outra vez a postos para responder ao inimigo. Porém, queremos dizer que hoje não é novamente o governo que nos impedirá de tomar a iniciativa das armas; não é o medo da morte; não é o medo da guerra. É o chamado da sociedade civil. Estamos escutando a palavra da sociedade civil. Estamos dispostos novamente a um novo diálogo para que o governo responda às necessidades de nosso povo. Se a guerra não é necessária, pois que não a seja. Porém que cumpram as demandas pelas quais todos nós estamos em armas. Vamos dialogar mais uma vez. Porém não entregaremos as armas. É a nossa garantia de paz".

Com essas palavras, o major Moisés deixou claro que os zapatistas queriam ser escutados. Foi aí que ele anunciou a não presença do subcomandante Marcos, que estava sendo perseguido pelo governo mexicano. No entanto, Moisés ligou um gravador e a voz forte do subcomandante lançou a III Declaração da Selva Lacandona. No final, foi decretada trégua até o dia 6 seguinte, e os zapatistas pediram esforços para que o diálogo voltasse a acontecer.

Já de volta a San Cristóbal, chegavam notícias a todo instante de pequenos e esparsos conflitos entre o exército ou capangas a serviço dos grandes fazendeiros com camponeses. D. Samuel Ruiz, em jejum pela paz, reza uma missa pedindo o retorno das negociações. "Chiapas não é Chiapas. É um quartel general", disse ele durante a cerimônia.

Depois dessa fala impactante, optei por tentar conhecê-lo pessoalmente. Após muitas tentativas, acabei conseguindo um encontro no interior da Igreja de Guadalupe, em San Cristóbal. O encontro foi mágico. Ele próprio me disse que quando chegou ao estado de Chiapas, em 1959, não era integrante da ala progressista da Igreja Católica. Pelo contrário, era um sacerdote tradicionalista. De perfil conservador, estava preparado para formar sacerdotes e evangelizar os indígenas. Segundo ele mesmo, a mudança de sua postura só aconteceu após encontros com o contexto social local, quando aderiu à luta dos padres progressistas pelo fim do lento extermínio dos indígenas.

Na prática, é possível afirmar que D. Samuel abriu seus horizontes existenciais a partir de dois encontros históricos e culturais, no que pensadores da filosofia da diferença chamam de devir outro. Sempre aberto ao princípio da escuta, o outro fez a diferença em seu modo de ser e de conceber a vida. Para ele, a diferença jamais esteve no outro, no concebido negativamente como o "diferente", se comparado a um modelo fictício de perfeição. Foram basicamente dois bons encontros, como diria Espinosa, que o tornaram diferente de si mesmo.

O primeiro foi com a realidade sócio-econômica e política dos indígenas chiapanecos. O outro, talvez o mais importante, foi o seu encontro com a cultura indígena. Ele se metamorfoseou em devir índio, que passou a fazer parte de seu existir. Não se trata de se transformar em índio, mas de não falar mais em nome dele. D. Samuel passou a falar a partir do modo de ser indígena e a sua forma de conceber a existência mudou.

Nós, da cultura ocidental, precisamos nos abrir a outros mundos possíveis para, como diriam os próprios zapatistas, sermos capazes de conceber um mundo onde caibam todos os mundos. D. Samuel nos mostrou ainda que podemos aprender a escutar o outro, rompendo fronteiras com identidades fechadas e intransponíveis, que só conseguem olhar para o outro estabelecendo lutas de verdades contra verdades. Somos todos zapatistas e não somos ao mesmo tempo. Esse foi o legado deixado por D. Samuel. O eu e o outro, nesse contexto, se misturam, o que significa redimensionar conceitos petrificados do que é ser igual e diferente na sociedade contemporânea.

Guga Dorea é jornalista e cientista político. Atualmente atua no projeto Xojobil e escreve para a revista Incluir.