terça-feira, 13 de novembro de 2007

20 anos do movimento da luta antimanicomial

O conformismo como cultura manicomial: a morte da rebeldia.

A MORTE é a expressão mais cruel dos mecanismos de exploração e opressão da humanidade
promovidas pela acumulação capitalista. Ao instrumentalizar o aparato repressivo policial e
institucional para discriminar, excluir e segregar os negros, as diferentes etnias, os pobres de todas as idades e orientações sexuais; transforma os hospitais psiquiátricos, as novas modalidades de controle dos transtornos mentais, os asilos, as casas de correções de menores, os presídios, entre tantas outras formas de reclusão inventadas no capitalismo, em estratégias de extermínio da mão de obra excedente e indesejável para o melhor funcionamento das leis de mercado. Promove-se desta forma a morte subjetiva, através de prescrição de subjetividades; a morte social, através da exclusão das relações de trocas sociais; e a morte física, como eliminação do incômodo e dos custos sociais de sobrevivência.
No entanto, esta estratégia desenvolvida progressivamente e que ganha contornos mais cruéis
na atual etapa neoliberal e de mundialização do domínio capitalista, não teria vitalidade e permanência não fosse o ardil da ordem que captura subjetividades contestadoras, indignações e ideologias; prescrevendo-se uma CULTURA DO CONFORMISMO, que subordina as individualidades e as formações coletivas, incluindo os movimentos sociais e os partidos políticos, ao império do consumo e do mercado. Cria-se profusamente racionalidades, popularizando-se expressões como “alianças táticas”, “crescimento virtuoso” e “governabilidade”, como tentativa de iludir e manter o conformismo.
A MORTE DA REBELDIA, portanto, é a condição predita pelo capitalismo neoliberal para impingir as maiores derrotas à esperança, à vida e às utopias.
O debate que o FÓRUM SOCIAL POR UMA SOCIEDADE SEM MANICÔMIOS promove tem
como objetivo compreender os mecanismos da rota da morte, do conformismo e da morte da rebeldia, esperando contribuir com todos os movimentos populares e sindicais, em especial o Movimento Nacional da Luta Antimanicomial, que nesta semana comemora 20 anos de existência. Esperamos contribuir com a recuperação de suas historicidades, identidades e projetos de luta para a transformação radical da sociedade.

Local:
Câmara Municipal de São Paulo
Palácio Anchieta - Viaduto Jacareí no 100
• 1o subsolo-sala

Dia 4/12/2007
Horário: 14h

Expositores:
Maria Inês Assumpção
Doutora do Instituto de Psicologia da USP

Mauro Iasi
Prof. Titular de Ciência Política da e
Faculdade de Direito de São Bernardo

Informações:
sociedade_sem_manicômios@yahoogrupos.com.br
Fone: 9975-2032/9670-8444


3 comentários:

Juliana Pacheco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alessandro Campos disse...

fazer o que? rsrsrs
mas apareca mesmo assim...
vc nao esta sozinha.

Juliana Pacheco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.